Arquivo | janeiro 2016

Quranic Foundations for Islamic Violence

hqdefault
Por Vitor Grando
vitor.grnd@gmail.com
VitorGrando.wordpress.com

It’s a common place when people analyze religious phenomena to say that every religion is equally peaceful and promotes non-violence. Such that anyone who infringe peace and human rights cannot be considered a true Jew, a true Christian or a true Muslim. By this common place way of thinking, President Barack Obama maintains that ISIS is certainly not islamic. Leia Mais…

O Martírio de Inácio de Antioquia e Policarpo de Esmirna

INACIO

Por Vitor Grando
vitor.grnd@gmail.com
VitorGrando.wordpress.com

Nos primeiros três séculos de cristianismo até 311, quando o então imperador Galerius proferiu um edito que permita aos cristãos realizarem seus cultos em paz e lhes conferia proteção legal, o cristianismo vivia em intermitente atrito com o Império Romano, que alternava períodos de intensa perseguição com períodos de relativa trégua. Mas é com a conversão de outro imperador, Constantino, no ano 312, que o cristianismo viria a ser não só admitido como tornado religião oficial do império. Leia Mais…

Tradição e Escrituras

apostolos

Por Vitor Grando
vitor.grnd@gmail.com
VitorGrando.wordpress.com

“edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra angular desse alicerce.” Ef 2:20

O pensamento protestante pós-Reforma causou uma ruptura com o valor da tradição da Igreja. A rusga entre dois partidos opostos tende a fazer com que ambas as partes supervalorizem sua forma de pensamento em detrimento de qualquer forma que sugira uma mínima validade do ponto de vista adversário. Não há espaço para aproximação. As linhas divisórias têm de ser traçadas claramente e, como consequência, arbitrariamente. Leia Mais…

O Leviatã Incorrupto

200px-Destruction_of_Leviathan

Por Vitor Grando
vitor.grnd@gmail.com
VitorGrando.wordpress.com

Não é novidade para ninguém que o Brasil é um país imensamente maculado pela corrupção. Tal mácula tisna todas as esferas de poder seja do poder público ao civil, política, polícia, agente público, guarda de trânsito, empresário, funcionário, a mídia, partidos políticos e assim por diante. Dez entre dez brasileiros colocam a corrupção como o grande problema do país colocando na resolução dela a panaceia para a resolução de todos nossos problemas. Mas, sinto lhes dizer, corrupção por pior que seja não é o nosso maior problema. Antes o Brasil fosse só corrupto. Mas não é a corrupção a raiz principal de sermos o que somos. A raiz é outra. Leia Mais…

A Religião de Karl Marx

Karl_Marx

Por Vitor Grando
vitor.grnd@gmail.com
VitorGrando.wordpress.com

Pode-se considerar Karl Marx, ao lado de Sigmund Freud, Friedrich Nietzsche e Charles Darwin, como um dos alicerces do espírito ateísta de nossos tempos. Para Marx, a crença religiosa era fruto de uma espécie de disfunção cognitiva. Como a consciência humana seria fruto das relações sociais e, para Marx, tais relações encontravam-se pervertidas, o resultado é que a crença religiosa seria fruto dessa perversão e, portanto, uma crença de pouco valor epistêmico. Freud dizia que a crença religiosa seria uma espécie de mecanismo psicológico destinado a satisfazer os anseios mais profundos da humanidade e, portanto, também não teria como objetivo a produção de crença verdadeira. Em Nietzsche, a religião é o desejo de controlar os mais fortes. Darwin, disse Richard Dawkins, tornou possível um ateísmo intelectualmente satisfatório porque – segundo Dawkins – teria eliminado Deus como exigência da explicação da natureza humana. Entretanto, ao contrário desses outros pensadores ateus¹ citados, Marx nunca escreveu um tratado específico contra a religião. Seu espírito antieclesiástico e ateísta era manifesto através de suas obras. Leia Mais…

A Pedagogia de Antonio Gramsci

antonio (1)

Por Vitor Grando
vitor.grnd@gmail.com
VitorGrando.wordpress.com

“A tradição de todas as gerações mortas oprime, como um pesado, o cérebro dos vivos”[1] sentenciou Karl Marx. Certamente tal declaração pode ser revertida contra o seu próprio autor, haja vista sua ainda enorme influência – ainda que indireta – no contexto intelectual brasileiro. Temos partidos de orientação claramente marxista, bem como uma legião de estudiosos de suas obras em nossas universidades. Podemos não viver num regime comunista, mas ainda assim não é difícil identificar a influência velada que o marxismo exerce nos veículos de comunicação, nas ciências humanas e, até mesmo, na exegese bíblica, ou seja, sua influência viva no campo ideológico. Destarte, eis o motivo pelo qual eu escolhi o teórico marxista Antonio Gramsci para analisar sua pedagogia, que, após a queda do Muro de Berlim, foi providencial aos intentos marxistas. Gramsci foi um grande responsável pela difusão do marxismo no campo ideológico, como já dissemos acima, e isso inclui a disciplina da Pedagogia. Portanto, nada mais pertinente à nossa realidade do que a análise do pensamento gramsciano. Leia Mais…

Sobre o Academicismo Cristão – Alvin Plantinga

Nas últimas décadas, Plantinga foi um dos grandes responsáveis pelo ressurgimento do teísmo cristão no âmbito filosófico profissional nos últimos anos. Seus trabalhos em filosofia da religião e epistemologia causaram verdadeiras revoluções nas respectivas áreas. Neste artigo Plantinga discorre sobre como o acadêmico ou intelectual cristão deve encarar o seu labor; trata da suposta neutralidade da ciência e do academicismo em relação a posições religiosas; e como o cristão deve enfrentar e lidar com os pressupostos dessas disciplinas, que, não poucas vezes, estão em confronto direto com a fé cristã ou teísta.

Tradução: Vitor Grando
vitor.grnd@gmail.com
VitorGrando.wordpress.com

Baixe o pdf deste artigo no
 scribd

SOBRE O ACADEMICISMO CRISTÃO – ALVIN PLANTINGA

Nossa questão aqui é: como pode uma universidade ser uma universidade apropriadamente católica ou cristã? Como tal universidade deveria ser? Essa é uma questão difícil por três razões: Primeira, como Chuck Wilber e outros apontaram, não temos modelos contemporâneos[1]. Não podemos olhar para Princeton (embora a amemos e a admiremos), para ver como eles fazem as coisas, como um modelo para nós. De fato, a verdade é justamente o oposto. Uma lição a ser aprendida da última palestra de George Marsden é a lição de que Princeton é um projeto falho: outrora ela era ou almejava ser uma universidade cristã, assim como nós; esse alvo, infelizmente, não foi alcançado. Assim, não podemos tomar Princeton como modelo; de fato, devemos aprender com seus erros. Segundo, se o que nós queremos é uma universidade católica ou cristã, devemos, como Nathan Hatch apontou, ousar ser diferente, seguir nosso próprio caminho, encarar os riscos envolvidos em se aventurar em territórios não explorados. Isso não é fácil; existem fortes pressões para que nós nos conformemos. (Mas é nossa universidade, afinal, e não temos de seguir o mesmo rebanho). E, terceiro, essa é uma questão multifacetada; tem que ser pensada em conexão com a educação de pós-graduação e de graduação também; devemos pensar sobre a necessidade do tipo de conversação mencionada por Craig Lent – tanto sobre a necessidade de tal conversação e sobre os tópicos apropriados; temos que pensar sobre grade curricular, sobre relacionamentos com outras universidades que almejam o mesmo objetivo que nós, como também sobre relacionamentos com outras universidades que almejam alvos diferentes; temos que pensar o que isso implica em relação às políticas de contratação; temos que pensar sobre essas coisas e milhares de outras. Leia Mais…

Review of The Evolution of Desire – David Buss

Por Vitor Grando
vitor.grnd@gmail.com
VitorGrando.wordpress.com

I’ve finished my first reading of 2016: The Evolution of Desire  written by the evolutionary psychologist David Buss.

Buss appears in that famous norwegian documentary series Brainwash, whose episode The Paradox of Equality became specially popular and has thrown a bomb on the norwegian progressists and their social-construcivists theses, according to which the human mind is nothing more than a social construction. We are born as a blank slate and it is our culture that imposes upon us what we will turn out to be. This, obviously, includes our concepts of man and woman. No one is born a man or a woman, but we become a man or a woman, they say. Leia Mais…

Teologia e Falsificação – Antony Flew

Antony Flew

Antony Flew

Tradução: Vitor Grando
vitor.grnd@gmail.com
VitorGrando.wordpress.com

Baixe o artigo em pdf no scribd

Este é um artigo clássico do filósofo Antony Flew (1923 – 2010), onde o autor acusa os enunciados teológicos de serem desprovidos de sentido. Diz-se ser este o artigo filosófico mais impresso da segunda metade do século XX tamanha sua importância. Flew foi um feroz ateu durante longos anos, no entanto, em 2004 admitiu a existência de Deus e tornou-se deísta; além disso Flew manteve amizade com pensadores cristãos como Gary Habermas e N.T. Wright e chegou a admitir que, embora não creia em milagres, as evidências da ressurreição de Cristo são consideráveis. Para conhecer mais sobre seu processo de “conversão” leia Jornada do Ateísmo à Crença. Leia Mais…

Tantos ateus, tão pouco tempo! – William L. Craig

william-lane-craig

William L. Craig

Tradução: Vitor Grando
vitor.grnd@gmail.com
VitorGrando.wordpress.com

William Lane Craig nos mostra como o leigo pode lidar com o espírito secularista de nosso contexto acadêmico sem que para tal tenha de dominar todas as complexidades da filosofia da religião.

Pergunta:

Dr. Craig, eu estudo na Universidade do Estado de Louisiana e trabalho na biblioteca da faculdade. De todas as pessoas com quem eu trabalho, metade são agnósticas e a outra metade ateísta. Eu me tornei um cristão nascido-de-novo há pouco mais de um ano, após cinco anos de ateísmo. Eu tenho percebido que muitos jovens creem, como eu cria, que a religião é coisa estúpida e de que não há Deus algum. Eu sequer menciono religião para meus colegas de trabalho e alguns deles, ainda assim, dizem coisas horríveis a respeito da religião e do cristianismo. Eu trabalho com um inglês que diz que seu país é muito não-religioso onde até a menção do nome de Deus é ridicularizada. A América do Norte também tem se tornado descrente. Preocupo-me com nosso futuro. Não sei como combater o ateísmo. Sou cristão, convertido por experiências pessoais, não sou filósofo. Ateus pedem por respostas, respostas que eu não tenho tempo para procurar. Estou fazendo três cursos na LSU e nenhuma deles é filosofia. Como pode um simples estudante leigo, como eu, se tornar um decente defensor do cristianismo contra esse colegas ateus? Sempre defenderei minha crença em Cristo, mas eles procuram por algo mais do que eu creio. Eles dizem que os crentes são estúpidos e ilógicos, portanto eu gostaria de argumentar fundamentado na lógica e provar a eles que os crentes não são estúpidos. Como alguém que não tem tempo de aprender filosofia ou ler teologia pode debater contra esses descrentes mente-fechada?

John Leia Mais…